GILMA DO GRUPO GALPÃO NO BUZÃO DA SINHA ZÓZIMA
19/05/2016
DICAS PARA INICIAR CAMPANHA DE CROWDFUNDING
15/11/2016
Mostrar todos

TATIANE LUSTOZA DA TRUPE SINHA ZÓZIMA

 logo-trupe-sinha-zozima Nesse ultimo mês no Buzão da Trupe Sinhá Zózima  aconteceu o projeto: “Residir é assentar tijolos na memória do tempo”, diversos profissionais que a trupe teve  a oportunidade de conhecer em suas andanças Nacionais e Internacionais foram incentivadores para que acontecesse esse ambiente de intercâmbio. Na programação da rodada de conversas estiveram em pauta assuntos relacionados à produção cultural. E um dos últimos encontros foi com a Tatiane Lustoza, fundadora, atriz e coordenadora de produção da trupe, ela compartilhou conosco a trajetória da trupe Sinhá Zózima, através do bate-papo: A grande lata rodante –  A Arte de Gestar, Parir e Cuidar, baseando-se em sua própria experiencia ao longo desses nove anos de batalhas e grandes aprendizados!

  Tive o prazer em conhecer a Tati em Mar Del Plata – Argentina  no Micsul (mercado de industrias culturais dos países do Sul), e nos reencontramos no Chile no inicio de 2015, no Festival Santiago a Mil, uma pessoa que luta com todas as suas forças pra não deixar a “peteca” cair, mas, que nem por isso deixa que a poesia se perca diante de todas as questões “burocráticas” que esta envolvida dentro da Trupe. Impossível reproduzir o encontro com tudo o que foi compartilhado, mas, vou dar um pincelada nos pontos que considero importantes, e vão ao encontro da arte de produzir.

SOBRE A TRUPE SINHÁ ZÓZIMA

  A Trupe Sinhá Zózima é um grupo de teatro fundado na cidade de São Paulo, em 2007, pelos artistas Anderson Maurício, Evie Milani, Fernando de Marchi, Priscila Reis e Tatiane Lustoza. O ônibus (Onibus: para todos) é o lugar onde a trupe tece um teatro do encontro sem fronteiras, com inspiração na filosofia do diálogo de Martin Buber (1878-1965) e na poética do espaço de Gaston Bachelard (1884-1962). Esses estudos foram adotados a partir de inquietações artísticas e no desenvolvimento do trabalho cênico do grupo. Fundamentam os cinco movimentos de pesquisa da Trupe: o espaço, o público, o ator, a produção e a dramaturgia. A estirada, caminhada da Trupe, surge da experiência vivida na concretude de cada ser humano, porque “o artista não cria como vive, vive como cria”, defende o poeta Jean Lescure. O nome da Trupe é uma homenagem à Lídia Zózima, coordenadora da Escola de Teatro da Fundação das Artes de São Caetano do Sul. É de lá que vêm os atores da Trupe. (fonte: Teatropédia).

O INICIO DA CARREIRA

  No inicio da carreira da trupe, quando os integrantes decidiram que o transporte público seria o espaço para dialogar com o público as suas inquietações artísticas, foram criticados por algumas pessoas, que diziam que eram malucos, ou então, mais um grupo de sonhadores que haviam acabado de se formar…! bom, pra quem falou ou pensou algo, esta ai!!! A Trupe completou nove anos, e mesmo “ainda” diante de todas as dificuldades não param de realizar o seu proposito como artistas!

PONTOS FUNDAMENTAIS

  Embora eles tivessem estabelecido o grupo logo na sequência de sua formação, já tinham mesmo que inconsciente, qualidades fundamentais para que pudessem se organizar de forma harmoniosa, A primeira regra criada foi em relação as funções que cada um iria desempenhar no grupo, por isso, além de interesses artísticos e afinidades pessoais, mais do que isso, todos tinham também uma atividade além da artística, por isso, cada integrante ficou responsável por áreas estabelecidas em conjunto. (produção, direção, assessoria, fotografia), e de acordo com as habilidades de cada um e as necessidades que foram surgindo ao longo do tempo. A Segunda regra era a de que a trupe não é de ninguém, ninguém era dono de nada! e que todas as decisões seriam tomadas democraticamente,de acordo com a vontade da maioria. Anderson que é fundador e diretor da Trupe nos disse que esse passo foi muito importante para a trupe!     

DESMISTIFICAÇÃO DA FIGURA DO PRODUTOR

  Me identifiquei bastante com a forma pela qual Tati se referiu a figura do produtor, ao dizer que não é por que eu sou produtor(a), as pessoas devem fazer o que eu mando! embora seja uma função um tanto difícil, onde todos os problemas ficam concentrados, a relação é outra, é de apoio, respeito, de ouvir a opinião das pessoas e resolver os problemas de todos. Quando digo que me identifiquei com a posição da Tati, é porque nos projetos artísticos dos quais realizo como produtora, sigo essa mesma filosofia de produção, no recente projeto que estou envolvida desde o inicio do ano (Pororo Brasil), obtive resultados que agradou bastante toda a equipe envolvida, somente com a valorização das relações humanas de cada integrante durante o processo! somos responsáveis também pelo bem estar de cada um, pois, tudo o que a acontece pode refletir no resultado final, que é o trabalho artístico.

REVENDO PROCESSOS

  Tudo foi muito difícil pra eles, se hoje ainda é, imagina no inicio de tudo como foi não? Por isso quando a trupe completou 3 anos de trajetória,  olhou pra traz e percebeu o quanto haviam percorrido, mas nada acontecia de fato, os integrantes já estavam um tanto desmotivados com as dificuldades que  passavam, a ponto de quase desistirem de tudo e cada um seguir o seu rumo… mas não! claro que não! Reuniram-se e resolveram rever todos os projetos que haviam realizado, e fizer uma analise sobre tudo, reparando os erros e se especializando em outras áreas para alavancar a trupe. Durante quase dois anos, cada um em sua área de atuação foi atras das respostas e oportunidades fora, estudando, ouvindo profissionais de outras áreas, lendo, e reunindo-se entre eles, tentando entender o motivo das  suas dificuldades, foi o tempo necessário para se nutrirem do que necessitavam para retornar amadurecidos e com as respostas para alavancar as suas obras, e foi o que aconteceu, como uma tentativa determinante, e após quase dois anos finalmente conseguiram continuar com o seu trabalho artístico. Finalizando diz: “Momentos de crise são importantes para poder  repensar outras possibilidades”

  Após esse acontecimento a trupe de uma vez por todas conseguiu afirmar para eles mesmos, para a classe, e para o público a sua identidade artística! E a partir desse momento os seus projetos começaram a criar forma, movimento, amplitude e reconhecimento do público.

  É muito belo esse olhar da  Tati em relação a produção executiva, muitas das suas palavras soaram como poesia, para o público presente, foram palavras que deram estímulo para os grupos que estavam no Buzão e tenho certeza que algo mudou nesse mês de encontros, intercâmbios, e de grandes descobertas para todos os grupos que estiveram presentes!

Agradecida a Trupe Sinhá Zózima por proporcionar essa oportunidade!

MINHA REFLEXÃO SOBRE O BATE PAPO:

  Eu como produtora, sinto uma lacuna entre o fazer e o realizar com propósito a obra artística, conheço diversos grupos e artistas, iniciando um projeto, e na metade do caminho desistindo. Desistem porque não conseguem ter a paciência ou simplesmente não querem conhecer outras possibilidades, ou até mesmo se conectar com outras pessoas que podem ter a solução da qual precisa para realizar a sua obra, tem momentos que devemos sim parar pra pensar se o caminho que estou seguindo realmente é o mais apropriado de acordo com a linguagem artística que eu assumi junto ao meu grupo. Geralmente quando, realizamos um espetáculo, é claro que queremos atravessar fronteiras e atingir todo e qualquer público, e fazer com que o nosso trabalho seja acessível a todos, mas, dependendo da obra não é exatamente assim, pensar em qual é o meu público e principalmente: Qual é o motivo principal de estar realizando o trabalho artístico são indagações que devemos nos fazer, constantemente, pois, somente com uma visão muito clara, e com processos que funcionam conseguimos alcançar  o resultado que almejamos, e não nos esquecer que temos um trabalho constante de adaptação pois, além do mais dependemos também de leis de incentivo a cultura, isso é um fato, e elas mudam a qualquer momento, por isso, precisamos pensar em possibilidades alternativas para a realização do nosso trabalho artístico, como por exemplo captação de recursos através de crowdfunding (clique aqui e veja o caso da campanha de gravação de CD da artista Mariana Sancar, através de crowdfunding). Por fim devemos sonhar sim e sempre, mas com a clareza dos objetivos a serem alcançados!

Espero que este registro tenha ajudado em algum ponto você e/ou o seu grupo,  Tenho postado, constantemente temas relacionamos a Produção Executiva e Intercâmbios Culturais, se gostou compartilhe pros amigos, se não gostou pros inimigos! Se quer receber diretamente, se cadastre aqui ao lado que eu te coloco na lista VIP! Você também pode sugerir temas para serem postados é só me enviar um e-mail para [email protected]

Obrigada mais uma vez!

Abraços!

Os comentários estão encerrados.

Facebook Iconfacebook like buttonMeu blogMeu blogMeu blogMeu blog
Scroll Up